Tempo, tempo, tempo, tempo...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A ALBERTO IMOTO

Como límpida água, desaguaste tuas alegrias em meio a todos nós...

Com teu esmero oriental,

coloriste a nossa vida com as cores

da alegria...

Nas infinitas atitudes de humildade,

tua alma elevava-se silenciosamente a esferas superiores...

Com teu espírito fraterno,

ensinaste a olharmos "para o alto",

enfrentando os obstáculos das alturas...

Com o teu poder ímpar do dom da oratória,

ensinaste que muitas vezes,

o silêncio supera todas as palavras...

Como bom educador, ensinaste que a união e o afeto

ajuda-nos a construir os significados dos sentimentos e emoções...

"Tornar o simples complicado é fácil.

Tornar o complicado simples,

Admiravelmente simples,

Isso é ser como você: criativo!"

( parafraseei Jann Valsiner )

Na tua vida de velho menino,

de menino velho,

foste lenda, foste mito,

deixaste marcas de

um "Papai Noel de

pernas finas",

de alma grande

um Papai Noel que

nunca, nunca mais morrerá em nós...

Deixaste a certeza de que viveste intensamente

de que necessário se faz que sejamos felizes a tempo...

Intensamente viveste

Serenamente ( quiçá? ) alçaste voo...

Não se pode dizer que partir ao lado da "cara metade"

não seja um privilégio de almas especiais como a tua, que tão

espiritualmente preparada, ainda preparaste um banquete de

despedidas

No teu último Natal....

Serás "Noel" em outra dimensão?

Não o sei...

Deixa-me com eternas saudades do seu saboroso "yakisoba" e daquele

pãozinho da mamãe, que um dia não deu certo e que te fez

ficar "todo birra"; em troca, leva tu ( em tua sacola de bondade ) esses

versos de Manuel Bandeira e que sejas feliz e "bonachão" sempre;

eternamente...

PREPARAÇÃO PARA A MORTE

A vida é um milagre.

Cada flor,

Com sua forma, sua cor, seu aroma,

Cada flor é um milagre.

Cada pássaro,

Com sua plumagem, seu voo, seu canto,

Cada pássaro é um milagre.

O espaço, infinito,

O espaço é um milagre.

A memória é um milagre.

Tudo é milagre.

Tudo, menos a morte.

- Bendita a morte, que é o fim de todos os milagres.

(Manuel Bandeira)

Itte rasshai!

"Morte, em ti quero agora

Esquecer que na vida

Não fiz senão amar."

( Estrofe do poema CANÇÃO PARA MINHA MORTE )

5 comentários:

Aline disse...

Perfeito!! Demonstrou exatamente o que o "Imoto" foi para todos....
Como faz falta esse mala!rsrs
saudades
saudades
saudades

Enkantinho disse...

Q bom q gostou, Aline!
Acho q a alma qdo fala, fala bem melhor q nós mesmos! ( risos ).

Fiquei feliz com seu comentário!

nadya disse...

só uma pessoa com o codinome enkantinho poderia escrever tão lindamente esta homenagem para o alberto. ele é tudo isso e o céu tb. que deus o acolha e ele vele por nós, seus amigos e eternos admiradores. nadya

Enkantinho disse...

Nadya, que posso sentir, senão lisonja em saber q pessoa sensível como vc leu o meu post?

Obrigada, msmo, hein?

Fica em nós a eterna saudade!

Lhioko S. Tayra disse...

Adorei !!!!!!! A Alice e a Nadya disseram tudo.
Parabéns. Abraços a toda essa linda família. Lhioko