Tempo, tempo, tempo, tempo...

segunda-feira, 10 de maio de 2010

INVERNO EM NAGAHAMA

Templo budista pertinho de casa
Na porta de casa
( Ao fundo, depósito dos apaatos )
Os caçadores de neve Akio e Atsushi kun Novos bolinhos de coco
Os bolinhos de coco ralado
A turminha do SHIGOTO ( trabalho )
Lugar de encontro dos dekasseguis
rumo às empresas

Templo budista coberto de neve

A neve dava nas "coxas" e meu filho teimava em querer

um refrigerante dessa maquininha!

Euzinha brincando na neve!
Vítor ( atrás do apaato )
Enchendo o copinho de neve ( tinham acabado de acordar )
Atrás do prédio ( tivemos que sair pra brincar )
Chocolate quente ( as crianças adoram )
O dia que a mamãe nos deixou fazer o que queríamos.
Em frente à clínica ( criançada resfriada )
Encontramos esse boneco com boné e tudo ( se fosse no
Brasil, adeuuuusss boné!!! )
Os caça-neve! kkkkkkkkkk
Colegas de trabalho em intervalo ( trabalhávamos numa
empresa de Kensa ( em eletro-eletrônicos Sony: celulares, câmeras
digitais e afins... )
Olhem nossas bicicletas encalhadas e o Vítor brincando
na neve...
Eu não largava o meu guarda-neve... kkkkkk
Mas é comum na Ásia ( meu amigo português morre de
rir, porque na Europa não é comum o uso )
Viu que não estou sozinha???
As estações do ano no Japão, são bem definidas e as pessoas costumam desfrutar intensamente as suas particularidades...
O inverno ( dezembro a fevereiro ) é uma das mais belas estações... É realmente deslumbrante e, para uma nordestina do pé de serra, contemplar a neve foi algo assim como estar em um conto de fadas...
O acúmulo de neve é algo muito mágico... A primeira vez que vi flocos de neve caindo, estava trabalhando: fiquei extasiada olhando-os através das vidraças e fiquei sonhando com o intervalo, para poder tocar na neve, brincar com ela...
No inverno, o Japão sofre influências das mais frias massas de ar do mundo e a cidade em que morava, ficava entre montanhas, o que fazia com que o frio e a neve fossem mais intensos...
Brincar na neve pela primeira vez é gostosooooo demais!
Nos intervalos do almoço, os dekasseguis se divertiam nas montanhas de gelo, ora fotografando, ora jogando bolas de neve um no outro, ora fazendo bonecos de neve!
É surpreendente a rapidez com que se formam os amontoados de neve... Quando estamos andando os flocos caem sobre as roupas e se grudam, tão pequeninos, que não dá pra imaginar que unidos se tornem montanhas...
Passava horas vendo a neve cair atrás do nosso prédio. Mágico, muito mágico... Pouco a pouco os carros, ruas, árvores iam tomando a cor branca...
No caminho para o trabalho, limpando a umidade dos vidros com as mãos, ficava encantada com a brancura de tudo que me cercava e o que mais me deixava surpresa, é que os japoneses, para protegerem plantas ornamentais dos seus jardins, casas, faziam amarras com cordas, para que assim, as plantas não sofressem danos...
As montanhas todas branquinhas, branquinhas... Como trabalhava numa escola que ficava no segundo andar de um prédio, eu tinha o privilégio de ver de perto uma das maiores montanhas, cobertinha de neve, parecendo sorvete de coco!
Pela manhã, a porta de casa estava coberta de neve: pra sair era preciso retirar com a ajuda de uma pá... Frio, muito frio... Botas, roupas internas apropriadas, meias e meias, cachecol, luvas, gorros e frio... Brrrrrr.... Muito frioooooo!
Mas é lindo! Lindo mesmo é ver a alegria das crianças brincando com neve em toda parte, com os rostinhos e nariz vermelhos do frio.
Todo dia podia se dizer: KYO WA YUKI IPAI ( hoje tem muita neve ).
Neva em todo o arquipélago!
Passava a maior parte do tempo com o ar quente ligado e outros aparelhozinhos para aquecer o ambiente, chamados ESTOBU ( não sei se é assim que se escreve ), semelhantes aos nossos ventiladores, aquecendo meus pés gelados e embaixo dos FUTONS ( alcochoados bem grossos, tipo nossos edredons, onde os japoneses costumam dormir ).
É muito frio! Ainda bem que o apaato ( apartamento ) tinha água aquecida em todas as torneiras e ofurô ( banheira ). Também, as mãos ficam endurecidas quando usamos a água natural!!!
Meus garotos adoravam pegar copinhos e ficar com os bracinhos por fora, esperando que eles se enchessem de flocos ( era a raspadinha ).
Num dia em que fiquei disposta, saí com os dois para se esbaldarem na neve: deixei que fizessem o que queriam. Do escorregador, ao se afundar na neve ( eu ficava desesperadaaaaaa! ).
Tempo gostoso de tomar missô shiro ( um caldo à base de pasta de soja ), ou mesmo usar as infinitas formas de usar o lámen ( rámen no Japão ). É... Os japoneses fazem caldos deliciosos e o macarrão instantâneo fica rico com a criatividade própria japonesa de utilizar legumes e verduras.
Os ambientes japoneses são aquecidos: ao chegar em um supermercado, por exemplo, é um tal de tirar roupa, que terminamos por usar um carrinho somente para guardar os agasalhos.
Todos os lugares sempre buscam ter uma fonte de calor e, imagine: até no ônibus tudo é quentinho!
Os ESTOBUS movidos a querosene, são mais econômicos, mas é um tal de comprar querosene nos postos de gasolina que é uma canseira... Devo dizer que não dá pra ficar sem eles não: ao sair do banheiro, corria para me vestir diante de um deles! É um calorzinho muito bom! Até parece que estamos diante de uma lareira, embora a pele sofra bastante e fique bem ressecada.
Eu vivia com a máquina na mão, por onde andava, por onde passava, era foto vai, foto vem!
Creio que foi o período que mais fotografei.
Sinto saudades da neve, mas amo o sol nordestino, amo esse clima tropical, nossas roupas que nos deixam à vontade, nossa terra, nossa gente... Fico por aqui, porque sei que este é o meu verdadeiro chão e guardo meus arquivos fotográficos como lembrança de um tempo que valeu a pena ser vivido intensamente!

Um comentário: